Entre o Currículo Prescrito e o Currículo em Ação: como professoras do 3º ano justificam as diferenças em sua prática docente?

Emerson Rolkouski, Michelle Tais Faria Feliciano

Resumo


Este artigo apresenta um estudo sobre as convergências e divergências entre os níveis de relevância dados aos conteúdos matemáticos, entre documentos oficiais e prática de alguns professores do 3.º ano do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Educação de Curitiba. Para tanto, foram constituídos dois polos do currículo: o oficial, aqui representado pelas Diretrizes Curriculares para a Educação Municipal de Curitiba (currículo prescrito) e o currículo de sala de aula (currículo em ação), representado pelo discurso de três professoras do 3.º ano do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Educação de Curitiba, disparado pela análise de materiais de seus alunos. A conclusão da pesquisa permite obsevar um razoável distanciamento entre o prescrito e o realizado em sala de aula, prevalecendo a aritmética sobre as outras áreas da matemática escolar.  


Palavras-chave


Educação Matemática; Currículo Prescrito; Currículo em Ação.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Emerson Rolkouski, Michelle Tais Faria Feliciano

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexações:

A Acta Scientiaeé indexada em:
Scopus logoScopusLatindex logoLatindexedubaseEdubase (SBU/UNICAMP)
Sumarios.org logoSumarios.orgGoogle Scholar logoGoogle ScholarPortal Livre (CNEM) logoPortal LivRe (CNEM)
Journals for Free logoJournals for FreeREDIB logoREDIBGaloá DOIGaloá DOI

Creative Commons License
Todos os trabalhos publicados aqui estão sob uma licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.