Os Manuscritos de Manoel de Azevedo Fortes (1660-1749) e o Discurso Científico no Reino Português na Passagem do Século XVII para o XVIII

Dulcyene Maria Ribeiro

Resumo


Com base nos materiais e documentos encontrados nos arquivos portugueses nas investigações realizadas durante o doutoramento da autora, este artigo tem por objetivo divulgar três manuscritos guardados na Biblioteca da Ajuda, em Lisboa e apresentar indícios de que um deles, inicialmente sem autoria, também é de Manoel de Azevedo Fortes. Além disso, também são destacados elementos que mostram como se deu a inserção das discussões científicas no reino português no final do século XVII e início do XVIII e aspectos da pesquisa realizada em arquivos, que indicam a importância do acesso às fontes primárias e da investigação in loco. Por fim, conclui-se que os três manuscritos foram escritos por Manoel de Azevedo Fortes e que o conteúdo deles indica que no reino português também de discutia sobre ciências, contrariando a tese de total atraso científico português naquele período.

Palavras-chave


Manoel de Azevedo Fortes; Manuscritos; Discurso Científico Português no Século XVIII; Pesquisa em Arquivos;

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.17648/acta.scientiae.v20iss4id3647

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Dulcyene Maria Ribeiro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexações:

A Acta Scientiaeé indexada em:
Scopus logoScopusLatindex logoLatindexedubaseEdubase (SBU/UNICAMP)
Sumarios.org logoSumarios.orgGoogle Scholar logoGoogle ScholarPortal Livre (CNEM) logoPortal LivRe (CNEM)
Journals for Free logoJournals for FreeREDIB logoREDIBGaloá DOIGaloá DOI

Creative Commons License
Todos os trabalhos publicados aqui estão sob uma licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.