NÍVEL DE SEDENTARISMO DE PROFESSORES: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

Rerivaldo Nunes Diniz, Sabrina Silva Pereira, Gabriel Araújo Sulzbacher, Rafaella Cristina Campos, Giuliano Roberto da Silva

Resumo


Introdução: O grande número de compromissos profissionais e a elevada carga de estresse têm levado um número cada vez maior de indivíduos ao sedentarismo e, consequentemente, ao ganho de peso. Tão logo, se instalará um quadro de obesidade que tende a se agravar com o passar do tempo. Objetivo: Analisar o nível de sedentarismo de professores em uma instituição de ensino superior. Metodologia: A amostra em estudo foi compreendida por 47 professores, de ambos os sexos, com idade entre 26 e 60 anos (38±5,6) com dedicação parcial (todos os respondentes tem outra atividade de vínculo empregatício), a fim de avaliar o grau de sedentarismo aos quais estes indivíduos se encontram. Para tal análise, foi aplicado a eles o Questionário Internacional de Atividade Física – IPAQ, classificando os professores da amostra em: (1) Sedentários, (2) Insuficientemente ativos, (3) Ativos e (4) Muito Ativos. Resultados: Dentre os 47 professores que participaram da pesquisa, 92,1% corresponderam à recomendação atual de atividade física para promoção da saúde, sendo que estes dados variaram de acordo com idades, gêneros e cursos. Constatou também, que o nível de sedentarismo apresentou uma tendência similar entre ambos os sexos, com ênfase no masculino. Conclusão: A atitude para mudar os hábitos depende de cada um. Porém, uma excelente intervenção, com a atividade física indicada para cada indivíduo, depende do profissional de Educação Física, pois somente ele é capaz de manter e, em alguns casos promover a recuperação da saúde e bem estar.


Referências


Schilder P. A Imagem do Corpo: As energias construtivas do psiquê. São Paulo, SP: Martins Fontes; 1999.

Cash TF, Pruzinsky, T. Body Image: A handbook of theory, research and clinical practice. New York: The Guilford Press; 2002.

Cash TF, Smolak l. Body Image: A handbook of sciencepractice, and prevention. New York: The Guilford Press; 2011.

Guedes DP. Controle do Peso Corporal. Rio de Janeiro: Shape; 2003.

Stenzel LM. Obesidade: o peso da exclusão. Porto Alegre: EDIPUCRS; 2002.

Kopelman PG. Obesity as a medical problem. Nature 2000; 404(6778): 635-643.

Haslam DW, James WPT. Obesity. Lancet 2005; 366(9492): 1197-1209.

Felippe F. O peso social da obesidade. [Tese de Doutorado – Programa de Pós-Graduação em Serviço Social]. Porto Alegre: Faculdade de Serviço Social da PUCRS; 2001.

Ferreira MEC, Castro MR, Morgado FFR. Imagem Corporal: reflexões, diretrizes e práticas de pesquisa. Juiz de Fora: Editora UFJF; 2014.

Grejanin DKM, et al. As percepções sobre o “ser obeso” sob a ótica do paciente e dos profissionais de saúde. Revista Brasileira Crescimento Desenvolvimento Humano 2007; 17(3): 37- 47.

Blumenkrantz M. Obesity: the world’s metabolic disorder Disponível em: [ 2107 nov 13].

Burton BT. Nutrição Humana. Manual de Nutrição na Saúde e na Doença. Mcgraw Hill; 1979.

Knittle JL. Obesity in childhood: a problem in adipose tissue cellular development. J. Pediatr 1972; 81:1048-1059.

Dobrow IJ, Kamenetz C, Devlin MJ. Aspectos psiquiátricos da obesidade. Revista Brasileira de Psiquiatria 2002; 24(3): 63-67.

Booth FW, Gordon SE, Carksibm CJ, Hamilton MT. Waging war on modern chronic diseases: primary prevention through exercise biology. Journal of Applied Physiology 2000; 88(2): 774-87.

Vasques DG, Lopes AS. Fatores assiciados à atividade física e aos comportamentos sedentários em adolescentes. Revista Bras Cineantropom Desempenho Hum 2009; 2(3): 227-240.

Matsudo SM, Araújo TL, Matsudo VKR, Andrade DR, Andrade EL, Oliveira LC. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Saude 2001; 10: 5-18.

Caspersen CJ, Zack MM. The prevalence ofphysical inactivity in the United States. In: Physical Activity and Cardiovascular Health - A National Consensus Human Kinetics; 1997. p. 98 - 107.

Gomes VB, Siqueira KS, Sichieri R. Atividade física em uma amostra probabilística da população do Município do Rio de Janeiro. Cad. Saúde Pública 2001; 17(4): 969-976.

Ministério da Saúde. Exercício Físico e Saúde Prática Saudável do Exercício Físico. Coordenação de Doenças Crônico-Degenerativas Brasília: Ministério da Educação e do Desporto. 1996.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Dados sobre exercício físico, indicadores sociais. 2006.

Buchalla T, Pastore VS. As doenças da Modernidade. Rev Veja 2000; 44:105.

Mattos AD, Santos JF, Cardoso PR, Antonio T. Atividade física na Sociedade Tecnológica. Rev Digital. Bueno Aires 2006; 10(94): 1-11.

Oehlschlaeger MHK, Pinheiro RT, Horta N, Gelatti C, San’tana P. Prevalência e fatores associados ao sedentarismo em adolescentes de área urbana. Rev Saúde Pública 2004; 38(2): 137-149.

Matsudo SM, Matsudo VKR. Evidências sa Importância da Atividade Física nas Doenças Cardiovasculares e na Saúde. Revista Diagnóstico e Tratamento 2000; 5(2): 10-17.

Lee S, Bacha F, Hannon T, Kuk JL, Boesch C, Arslanian S. Effects of aerobic versus resistance exercise without caloric restriction on abdominal fat, intrahepatic lipid, and insulin sensitivity in obese adolescent boys: a randomized, controlled trial. Diabetes 2012; 61: 2787- 2795.

Andrade LT, Santos D. Respostas cardiovasculares decorrentes de um programa de treinamento físico misto, musculação e aeróbio: um estudo de caso. Revista do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão do UNIPAM 2010; 7(1): 72-82.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 ACTA Brasileira do Movimento Humano